Maçonaria: a mãe desnaturada do Brasil

Recentemente, mexendo em documentos do meu falecido pai, encontrei o diploma de Mestre Maçom dele, emitido pela Grande Loja do estado em que morávamos na época e comecei a lembrar de tudo o que ele me falou sobre a Ordem Maçônica.

Contou meu pai que as grandes transformações políticas, democráticas e liberais tiveram a mão da Maçonaria, que sempre agiu nos bastidores sem aparecer.

Contou-me, também, que se hoje qualquer um pode bater no peito e se dizer evangélico é graças ao sangue de muitos maçons que morreram lutando contra a Igreja Católica e pela liberdade de crença e de opinião.

Contou-me que toda a evolução e reformulação da Igreja Católica teve o comando de Papas Maçons. Se hoje a Igreja Católica proclama o direito de não se crer em Deus e aceita todos os seres humanos, independente de crença, raça, sexo ou classe social como filhos de Deus, foi graças a um Bispo Maçom que, durante o Concílio Vaticano II, defendeu, aprovou e conseguiu implantar no Código de Direito Canônico produzido pelo Concílio, a tese da geração divina, indepedente da vontade ou da crença de cada um.

Contou-me que o Brasil só tornou-se independente porque a Maçonaria convenceu D. Pedro I a cortar os laços com a Coroa Portugesa e decretar nossa independência.

Contou-me a históra de D. Pedro I que, ao abdicar do trono e voltar para Portugal, entregou seu filho de cinco anos, o infante Pedro de Alcântara, à tutela de José Bonifácio de Andrada, Grão Mestre da Maçonaria no Brasil e exigiu dele um juramento de honra e lealdade pelo qual Bonifácio se comprometeu – e cumpriu – criar, educar e fazer de Pedro de Alcântara, o sucessor de D. Pedro I. José Bonifácio podia ter dado sumiço no garoto e usurpado o trono e a coroa para si, mas ele cumpriu seu juramento, demonstrando que um Maçom tem palavra, honra e lealdade.

Contou-me que a abolição da escravatura e a proclamação da República foram obras maçônicas.

Contou-me que a independência norte-americana foi obra da Maçonaria, bem como da maioria dos países sul-americanos, que foram libertados do domínio espanhol por Simon Bolivar, cujo nome os corruptos e tiranos que desejam implantar o comunismo na América do Sul, estão usando como se o grande libertador comungasse das ideias criminosas e tirânicas deles, mas como Maçom, Simon Bolivar devia acreditar, pregar e praticar exatamente o contrário, ou seja, estão maculando o nome de um ilustre membro da Maçonaria.

Contou-me que todas as descobertas científicas que mudaram a humanidade sempre tiveram, de um jeito ou do outro, o dedo da Maçonaria.

Quando da campanha de Barack Obama à presidência dos EUA, ao visitar o web site oficial do candidato, deparei-me com uma informação contundente: Barack Obama era Maçom colado no Grau 29.

Há pouco tempo atrás, um “tio” Maçom, me contou que o vice-presidente da República Federativa do Brasil, o jurista Michel Temer, é Maçom.

Por essas e tantas outras histórias que ouvi do meu pai e que nem cabem aqui contar, surgiu uma inevitável pergunta: por onde anda a Maçonaria?

A Maçonaria é uma instituição e como tal, ela é estática, sendo feita por homens, os Maçons. Onde estão os Maçons que, neste momento de podridão, corrupção deslavada, incompetência e roubalheira escancarada, não fazem nada? Não puxam para si a defesa da Pátria que eles dizem que criaram? Meu pai me disse que se hoje o Brasil é uma nação independente é graças à Maçonaria que o criou e então, por onde anda esta mãe que não cuida de seu filho?

Certa vez, lá pelos idos de 1978, ouvi um Maçom bem idoso dizer ao meu pai que “os Maçons de hoje estão preocupados apenas em bater malhete e fazer festa”! Confesso que não entendi patavina do que ele disse, mas hoje, vendo a gritante omissão da Maçonaria neste momento de desgraça nacional, penso ter entendido o que ele quis dizer: os Maçons não estão nem um pouco preocupados com o Brasil, mas apenas com suas vaidades e com o lucro que o avental e os paramentos maçônicos podem lhes proporcionar. Se não é isso o que está acontecendo com os Maçons, então são todos cúmplices da roubalheira, da corrupção e da incompetência que grassa no desgoverno brasileiro.

Acordem, Maçons! Se a Maçonaria criou o Brasil, ela que cumpra seu papel de mãe e venha em nosso socorro, nos livrando dessa escória comunistoide, corrupta e acéfala que está nos levando à destruição.

Leia também:

[Voltar]